domingo, 3 de abril de 2011

GUERREIRA

Delicada guerreira. Seus grandes olhos chovidos. Miúda guerreira. Seus pezinhos vesgos. As horas todas de luta. Todo um exército. Um hospital de campanha também. Cuidadosa guerreira. Recebe os ataques pacientemente. Tampona feridas. Recupera terrenos. Ergue seu mundo. Guerreira frágil. Dona de toda fortaleza do mundo. Avança por entre colunas de fogo e pontas de lança. Não ataca, avança. Guerreira pacífica. Acalanta seus agressores. Ajuda-os a se levantarem, e são muitos. Guerreira honrada. Solitária em sua marcha. Entre montanhas de livros. Torta de dor, insone. Arrasta a sina dos pobres. Lírica guerreira. Sua arma, dignidade. Seu escudo, inteligência. Seu canto de guerra, o mais belo poema. Amada guerreira.

Um comentário:

  1. Bonito demais, Carlos. Grande e lindíssima homenagem a ela!

    ResponderExcluir